VISITANTES

sábado, 1 de outubro de 2011

Desenhos Na Vidraça


A chuva que lá fora agora cai
Faz umidade no vidro da janela
Rabisco um desenho que me traz...
Recordações...Ilusões em
Aquarela.

Olho em silêncio,
A chuva fina na calçada
Noite escura, madrugada, solidão.
Mente vazia, tudo, nada
Reflexão...

Compromissos...
Mundos comprometidos...
Ficamos nele por pura condição,
O tempo passa quase que despercebido
Negamos sempre
O que pede o coração.

Assim a vida passa
E traz sempre madrugadas...
Noites frias...Solidão...
Imaginárias serenatas!
Chuva...
Insônias...
Desenhos na vidraça...


Marina Mayer

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Marinha



Grito teu nome aos ventos.
Olha: há uma revoada marítima.
O horizonte se afasta, há um ritmo largo
de ondas que se espreguiçam.

Velas esguias,
para onde voam?

Sulcos na praia,
para onde levam?

Amiga, amiga! Ah, dize-me depressa:
Quem grita aos ventos o teu nome?
O mar, ou eu,
o grande mar que o está cantando?


Emílio Moura

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Orquídeas


video

Crepuscular


Crepúsculo da tarde, esta agonia
de cores meigas e de luz magoada
não a compreende a mente rude e fria,
onde a ilusão e a dor não têm pousada.

Mas à alma sonhadora e amargurada
bem familiar é a tua nostalgia:
- Efêmera saudade eternizada
na velhice infantil de cada dia ...

Cada dia a morrer eternamente,
é como o sol que agora já não arde
esta minha alegria descontente.

Ante o cair da noite muda e calma,
é como tu, crepúsculo da tarde,
sempre triste gêmeo de minha alma ...


José Lannes

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Fina Estampa

Vejam que ideia legal e que efeito impressionante!!!
As estampas super realistas são da marca The Mountain, que conseguiu um efeito 3D incrível com os animais, dando a impressão que os bichos estão saltando da malha. Confiram, abaixo, o resultado.












Stan Getz Early Autumn

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Angústia


Como um pássaro
que através das grades
admira o sol,
as árvores
e imagina ninhos,
meu amor aprisionado,
sonha sua presença
e sofre sua ausência.

Sua ausência é
presença constante
em meus pensamentos
em noites mal dormidas
em desejos não realizados.

Eu te amo
e sei que me amas
mas há esse abismo
essa cerca invisível
que o destino irônico
colocou entre nós.

Tu estás cravado no coração
e tão distante das mãos.


Heloisa

domingo, 25 de setembro de 2011